Arquiteto Versátil: 2017

6 de junho de 2017

Escala Arquitetônica: O que é, Quais os Tipos mais Utilizados e Como elas são Representadas


Esses dias tirei um tempo para rever alguns dos projetos arquitetônicos realizados durante o curso de arquitetura. Enquanto observava identifiquei que havia algumas falhas gráficas, tanto com relação a representação do projeto arquitetônico como em relação a escala. A partir daí surgiu a necessidade de falar sobre estes assuntos aqui no arquiteto versátil. Para começar, resolvi falar sobre o tema escala. 

Neste novo vídeo resolvi falar sobre o que é uma escala, quais os tipos mais utilizados e como elas são normalmente representadas na arquitetura. No entanto, no vídeo mostrarei para você não somente as escalas utilizadas na arquitetura, mas também em diversas outras áreas, estejas elas relacionadas ou não com a construção civil. 



Agora que você já sabe o que é uma escala, quais são os tipos mais utilizados e como elas são normalmente representadas, peço que inscreva-se no canal, para poder ver, em primeira mão, todos os próximos vídeos que serão publicados no canal. Com toda certeza você não irá querer perder nenhum deles não é verdade? 


Para concluir gostaria de saber qual a sua opinião sobre este novo artigo do blog? Caso tenha gostado, curta e compartilhe em suas redes sociais para que mais pessoas possa ver o conteúdo deste artigo.

Até a próxima.

26 de maio de 2017

Processo Projetual: Primeiros Passos para a Idealização do Projeto Red House


Para desenvolver esse novo artigo eu pensei: qual seria o melhor formato que eu poderia utilizar para mostrar o conteúdo para você? Foi então que resolvi rever meus vídeos do canal, como inspiração, então me veio a ideia de reutilizar o formato antigo dos vídeos já publicados no canal como formato para este vídeo. E não é que o formato escolhido realmente foi ideal! 

Neste novo vídeo mostro alguns detalhes que o vídeo sobre o projeto Red House publicado recentemente não revelou. Dentre os detalhes mostrados no vídeo, revelo como foi o processo de criação do programa arquitetônico e como foi o processo de escolha do terreno. Claro que não mostrei no vídeo como criar um programa arquitetônico na prática, mas mostrei alguns detalhes pertinentes relacionados ao programa arquitetônico que foram decisivos para a escolha do terreno. Mais a frente, mostrarei passo a passo como você poderá criar um programa arquitetônico. Aguarde. 



Mostrarei mais a frente mais detalhes sobre o processo projetual seja relacionado a este projeto ou qualquer outro projeto que você deseja projetar, caso você queria aprender mais sobre o assunto basta inscrever-se no canal e continuar acompanhando o blog pelas redes sociais.


Antes de concluir gostaria de saber se você gostou do vídeo e do formato adotado para mostrar as informações relacionadas ao processo projetual do projeto Red House? Deixe sua opinião nos comentário e compartilhe este conteúdo em suas redes sociais, para que mais pessoas o vejam.

Até a próxima.

22 de maio de 2017

Projetos Arquitetônicos na cor Vermelha


Você já viu em algum lugar um projeto arquitetônico totalmente pintado na cor vermelha? Caso ainda não tenha visto e deseja conhecer alguns dos projetos que eu selecionei para este artigo, basta continuar lendo... 

A cor vermelha é uma das cores que eu mais gosto. Ela além de ser uma cor primária ela me faz lembrar de vários filmes de ação e algumas marcas famosas, no entanto as demais pessoas quando questionadas sobre o que elas pensam ou lembram ao ver a cor vermelha imediatamente pronunciam as palavras amor ou paixão, como se elas fossem sinônimo da cor vermelha ou vice-versa. 


O primeiro projeto selecionado relacionado a cor vermelha chama-se Casa Vermelha e está localizado no subúrbio oeste de Oslo. Este projeto foi idealizado visando potencializar a visão exterior do edifício de forma que o usuário possa desfrutar visualmente da paisagem a sua volta. A cor vermelha que compõe o projeto foi adotada somente na parte externa tornando o projeto um elemento arquitetônico diferenciado na paisagem onde está inserido. 


O segundo projeto selecionado é um edifício residencial multifamiliar e chama-se Flex Vermelho e está localizado em Braga, Portugal. Diferente do projeto anterior este projeto além de conter a cor vermelha na parte externa há também na parte interna, mas somente em alguns elementos arquitetônicos como portas, janelas e algumas paredes. Além disso, este projeto possui externamente uma superfície ondulada semelhante à superfície dos containers criando assim uma textura sobre a cor vermelha, criando assim um aspecto diferenciado sobre a fachada do edifício. 


Já o terceiro projeto chama-se Instante Vermelho e foi idealizado em 2 dias e construído em 5 para ser um centro de vendas temporário. A cor vermelha presente no projeto foi escolhida para esconder as falhas de execução ocorridas durante sua construção, no entanto, devido ao contraste entre a cor vermelha e a paisagem a sua volta, o edifício se tornou um marco visual, mesmo que temporário. Diferentemente dos demais projetos já mostrados este projeto contém não só a cor vermelha na parte externa do edifício como na parte interna, mas dessa vez 100% do projeto está pintado com a cor vermelha. 


Para o ultimo projeto deste artigo decidir falar sobre o projeto chamado Red Ribbon (fita vermelha) que está localizado em Qinhuangdao na China. Diferente dos demais projetos tratados no texto, este ultimo projeto não é um edifício, e sim um equipamento urbanístico minimalista e conceitual que foi idealizado com uma forma orgânica simulando uma grande fita vermelha e foi distribuído sobre um terreno bastante diversificado. Ao longo do Red Ribbon há diversas funções integradas como iluminação, assentos, vegetação que são evidenciadas pela cor vermelha. Além disso, o Red Ribbon também serve como guia para os usuários por onde ele passa. 

O que achou dos projetos selecionados pintados na cor vermelha? Deixe nos comentários sua opinião. 

Até a próxima.

17 de maio de 2017

Projeto Arquitetônico: Red House - Proposta 1


Recentemente produzi um artigo mostrando a diferença entre um projeto renderizado e não renderizado utilizando o projeto que estou desenvolvendo chamado Red House. Como muitas pessoas gostaram do artigo resolvi compartilhar mais informações sobre o projeto neste artigo. 

Para que eu possa mostrar mais detalhes sobre o projeto Red House resolvi utilizar os mesmos recursos utilizados no vídeo Projeto de Reforma e Ampliação Ep.3 – A proposta, no entanto com alguns aprimoramentos. 

O projeto da Red House é composto por uma garagem, uma sala de estar, um banheiro social, uma sala de jantar, uma cozinha, uma área de serviço, uma varanda, dois quartos e uma suíte. Todos os ambientes foram distribuídos no terreno respeitando as condições ambientais e normativas relacionadas ao terreno. 



Não se esqueça de inscrever-se no canal!!!


Caso você queira saber mais sobre o processo projetual da Red House recomendo que continue acompanhando o arquiteto versátil nas redes sociais para não perder nenhum conteúdo. 

Antes de concluir gostaria de saber qual a sua opinião sobre este novo artigo. Caso tenha gostado deixe sua opinião nos comentário e compartilhe com seus amigos. 

Até a próxima.

10 de maio de 2017

3 Projetos Residenciais que Provavelmente Você irá querer Conhecer


Neste artigo eu vou te mostrar três projetos residenciais que aparentemente não possui uma relação direta entre eles, mas há muita coisa a nos ensinar sobre processo projetual, por isso os reunir neste artigo. Espero que goste.

O primeiro projeto não possui um nome especifico que o identifique, mas nem precisa, ele se diferencia dos demais simplesmente por ser uma casa construída próximo a uma praia no sul de Lima e foi idealizado pelo arquiteto chamado Javier Artadi Loayza.



O maior diferencial deste projeto está presente na organização espacial tanto na parte interna do projeto como na parte externa, no entanto a organização interna foi a que mais se destacou, quando vi este projeto pela primeira vez.


Como o projeto idealizado é de uma casa de praia sua forma conceptiva tanto externa como interna não condiz com o ambiente onde está inserido, no entanto, a organização espacial foi idealizada para valorizar a vista para a praia e não o contrário, tornando essa fachada a mais atraente e tornado as demais secundárias principalmente a que está situada a entrada principal da casa.


Já o segundo projeto foi desenvolvido pelo arquiteto Brian Tuskey e chama-se residência Komai e foi construído no bairro de Del Ray em Alexandria.


Da mesma forma que o projeto anterior, este projeto também se destaca pela sua organização espacial tanto interna como externa, no entanto, o projeto possui uma organização espacial interna mais atraente que a externa, mesmo tendo alguns elementos diferenciados na fachada, como as esquadrias, eles não tornaram o projeto externamente mais atraente.



Como o projeto foi idealizado a partir da forma triangular há nele diversas limitações iniciais, no entanto, o arquiteto foi bastante criativo ao decidir criar de forma central o setor social, com um pé direito duplo, e a sua volta foi criado os demais espaços que compõe a casa. A maneira que foi decidido criar este projeto não é muito diferente do projeto casa biblioteca que tratei anteriormente aqui no blog. Reveja.


O terceiro projeto chama-se casa bola e foi desenvolvido pelo arquiteto Eduardo Longo, e para meu espanto, ele foi construído em São Paulo mais precisamente na Rua Amauri, 352 – Jardim Europa.


Este projeto possui uma organização espacial bastante complexa tanto internamente como externamente se comparado com os dois projetos mostrados anteriormente, além disso, a casa bola foi projetada sobre uma outra casa que já havia no terreno agregando e tornado ainda mais complexa a concepção projetual da casa bola.


A casa bola como o próprio nome diz foi concebido a partir de uma esfera determinando desde o inicio a forma externa, gerando assim, diversas dificuldades projetuais. No entanto para transpor essas dificuldades o arquitetos dividiu os espaços que compõe a casa em 4 pavimentos e os organizou de forma muito criativa, além disso, para transpor as dificuldades construtivas o arquiteto teve que inovar utilizando argamassa armada.

Gostou deste tipo de artigo? Qual dos projetos você mais gostou? Por fim qual a sua opinião sobre ele?

Curta a página no Facebook, siga no Instagram, Twitter, Google+ e Inscreva-se no Canal.

Até a próxima.

5 de maio de 2017

Imagem Renderizada e Não Renderizada


Recentemente publiquei nas minhas redes sociais esta foto acima que mostra um projeto de uma casa antes e depois da renderização. Para minha surpresa muitas pessoas gostaram, mesmo sendo uma fotografia bastante simples, por isso, resolvi mostrar mais detalhes sobre ela, neste caso, falarei sobre as características mais comuns que estão visíveis para você através de cada fotografia, caso eu precise falar sobre outras características presentes no SketchUp ou no V-ray criarei um novo artigo para isso. Tudo bem?

Imagem Não Renderizada



A imagem acima foi gerado a partir do software chamado SketchUp criado pelo Google, por isso, você verá que a fotografia possui características próprias que dificilmente você encontrará em outra fotografia gerada por outro software com a mesma função.

As características mais atraentes na imagem acima são as cores, a forma, as linhas, as texturas e o campo visual.

Com relação as cores existentes no projeto mostrado na fotografia, é possível ver que mesmo tendo sido pintado com a mesma cor há uma distinção visual para destacar as diferentes superfícies que compõe o projeto.

Já com relação a forma é possível ver que ela é super marcada, mesmo um simples elemento do projeto. As formas concebidas no SketchUp são assim para poder permitir que o observador veja que o projeto foi concebido desde o início com técnica baseada na certeza, mesmo que no início o projetista (arquiteto) não possua toda a certeza que o projeto transparece.

As linhas presentes no projeto é a característica que mais chama minha atenção e dá o tom ao projeto e insinua que o projeto foi criado artesanalmente. No entanto esta característica permanecerá somente no SketchUp como você verá mais a frente quando eu expor sobre a imagem renderizada.

Quanto as texturas presentes no projeto, elas são poucas, mas são super relevantes para o que foi decidido representar com elas, no entanto elas poderiam ser menos chapadas.

Já com relação ao campo visual é possível ver que o SketchUp possui uma superfície horizontal em tom verde claro que se estende até a superfície em tom azul claro criando assim uma limitação visual (linha de horizonte) importante para a perspectiva.

Imagem Renderizada



Agora começarei a falar sobre a imagem acima gerada a partir do software chamado V-ray. Caso você não conheça ele é muito utilizado para renderizar os projetos criados pelos arquitetos. No entanto não há somente este software para que você possa utilizar na renderização de seus projetos. Logo mais criarei um artigo, somente, para falar sobre os softwares de renderização que já utilizei para pontuar qual deles é o melhor.

Algumas cores presentes na imagem acima mantiveram o padrão já descrito, no entanto houve uma inversão das cores. Onde antes era claro, agora é escuro e onde era escuro, agora é claro. Além disso, as superfícies que se tornaram claras parece que emanasse luz, ao ponto que algumas superfícies foram contaminadas por outras cores, tornando-se, por exemplo, roseada.

Com relação a forma não houve nenhuma mudança visual que eu pudesse identificar, mas poderia dizer que a renderização tornou a forma ainda mais pesada, por não haver uma separação entre cada item que compõe o projeto.

Como já foi dito as linhas que estavam presentes no projeto mostrado na primeira imagem desaparecem totalmente ao renderizar o projeto, mesmo aquelas linhas que você deseja que permaneçam de alguma forma no projeto. A renderização oculta todas as linhas do projeto para poder criar uma percepção visual realista do projeto.

Quanto as texturas existentes no projeto, basicamente elas ficaram mais claras, mas graficamente elas continuam chapadas. No entanto, poderia melhorar visualmente se as texturas existentes no projeto gerasse volume ao ser renderizada. 

Já com relação ao campo visual que antes existia, com a renderização ela deixou de existir e passou a ser uma grande superfície cinzenta. Caso você não saiba, para que essa superfície cinzenta possua outro aspecto, como por exemplo, um céu ensolarado, será necessário configurá-la, mas poderia haver uma pré-configuração para que essa situação não viesse a ocorrer.

Antes que eu conclua este artigo preciso falar sobre a presença da “luz do sol” e as sombras geradas a partir da volumetria do projeto. Na primeira imagem não há sua presença porque a função “mostrar sombras” estava desativada quando gerei a imagem do SketchUp. Já a imagem renderizada gerou automaticamente a percepção visual de luz e sombra, tornando a imagem visualmente ainda mais realista, no entanto a luz e a sombra poderia ser mais suave.

Conclusão


Como foi mostrado ao longo deste artigo há nas duas imagens vários detalhes que poderiam ser melhorados, principalmente com relação a imagem renderizada.

Dentre os detalhes descritos poderia haver melhoria nas cores presentes na imagem renderizada e poderia haver melhoria também nas texturas existentes tanto no SketchUp como no V-ray.

Com relação a forma, ao meu ver, não seria necessário haver nenhuma modificação pelo que eu observei.

Já as linhas presentes no projeto mostradas na primeira imagem seria superinteressante se fosse possível determinar qual linha deveria ser mostradas ou não na renderização.

Por fim, com relação ao campo visual seria interessante se houvesse uma pré-configuração tanto para representar um céu ensolarado como uma noite estrelada, por exemplo. Dessa forma poderia haver a anulação do fundo cinzento, tornando a representação gráfica do projeto melhor.

2 de maio de 2017

Como Criar um Levantamento Topográfico Utilizando o SketchUp?


Antes de começar a conceber o novo projeto que atualmente estou envolvido, fiquei a pensar como eu poderia realizar um levantamento topográfico pelo computador. Foi então que surgiu a ideia de pesquisar na internet e para minha sorte acabei descobrindo que o SketchUp possui um conjunto de ferramentas que eu poderia utilizar para realizar o levantamento topográfico.

Esse levantamento topográfico que mostrarei aqui neste artigo não descarta a necessidade de realizar o levantamento topográfico detalhado usando o teodolito ou a estação total. Somente dessa forma você conseguirá descobrir se o levantamento realizado no sketchUp é igual as informações encontradas em campo.

Ao longo do vídeo mostrarei de forma detalhada todas as etapas necessárias para que você possa desenvolver o levantamento topográfico utilizando o SketchUp. Além disso, mostrarei como você poderá utilizar algumas ferramentas da caixa de areia e também como é possível exportar o levantamento topográfico realizado no SketchUp para o AutoCAD.

Quero deixar aqui registrado que neste novo vídeo busquei utilizar novos recursos gráficos para expor o conteúdo do vídeo.



Aproveite este momento e inscreva-se no canal!!!


Se você gostou do novo vídeo, deixe nos comentários sua opinião e caso tenha alguma sugestão de tema para os novos vídeos do canal ou alguma dúvida, faça o mesmo.

Até a próxima.

24 de abril de 2017

Desenho Isométrico ou Perspectiva Isométrica: Como Desenvolvê-la?


Em um artigo publicado anteriormente, mostrei aqui no blog os tipos mais comuns de perspectivas utilizadas no curso de arquitetura e disse também que iria mostrar na prática como você poderá desenvolver cada uma delas. Estão lembrados?

Ao longo desse novo vídeo mostro com detalhes tanto os materiais necessários para que você possa desenvolver o desenho isométrico como também revelo de forma simples e rápida a técnica que estrutura a perspectiva isométrica. Confira agora o vídeo.



Gostaria de saber se você conseguiu compreender como se desenha uma perspectiva isométrica? Além disso, gostaria de saber também o que você fará, agora, com esse novo conhecimento?

Caso você realize algum desenho relacionado a perspectiva isométrica e queira compartilhar nas redes sociais (principalmente no Instagram) para que eu possa ver basta usar a #desenhoAV.

Até a próxima.

29 de março de 2017

8 Tipos de Plantas para Você Utilizar em seu Jardim Vertical


Quando for desenvolver um projeto de um jardim vertical você deve não só levar em consideração o local que vai pôr o jardim, mas também deve considerar o tipo de planta que irá compor o jardim, a quantidade de sol e de vento que o jardim ficará exposto, o tipo de estrutura que o jardim terá entre outras variáveis. 

Todas essas variáveis deverão ser observadas com muita cautela para que o projeto possa ser o mais ideal possível, caso não ocorra, poderá gera problemas futuros e com certeza não é isso que você deseja. Não é mesmo?

Com relação aos tipos de plantas utilizadas em um jardim vertical é possível classificar em 2 tipos: as que preferem um local com bastante luz solar (liríope [1], russélia [2], flor-canhota [3], trapoeraba-roxa [4]) e as que preferem pouca luz solar ou espaços sombreados (samambaia [5], vriésia [6], guzmânia [7], falenópsis [8]), neste caso, o local escolhido pode ser tanto interno quanto externo.

Caso você queria conhecer outras espécies de plantas para seu jardim vertical, basta clicar aqui.

Antes de concluir esse artigo gostaria de saber se você já conhecia alguma espécie mostrada neste artigo? E gostaria de saber também qual espécie você mais gostou?

Até a próxima.

27 de março de 2017

Papel de Parede Floral para sua Casa


Se você está desenvolvendo um projeto decorativo ou está pensando em decorar sua casa, mas não quer ter muita sujeira e nem muitas dores de cabeça com sua execução, uma ótima opção para você seria utilizar papel de parede.

São tantos tipos de papeis de parede a nossa disposição na internet que é impossível não ficar na dúvida de qual comprar. Imagine essa escolha sendo feita pelo arquiteto. Ela é ainda mais complexa.

Para lhe ajudar em sua escolha selecionei 6 papeis de parede com o tema floral. Caso você gosto do tema, como eu, imagino que tenha adorado cada um dos papeis de parede selecionados para este artigo. 

Segui abaixo a lista dos papeis de parede selecionados e seus respectivos sites, onde você poderá adquiri-los ou indicar para seus clientes, caso esteja projetando.

1 – Papel de Parede Mod. 20 da Elo 7
2 – Papel de Parede Floral Mod. 11 da Fran Adesivos
3 - Papel de Parede Floral Azuis da Qcola
4 - Papel de Parede Floral Mod. 80 da Fran Adesivos
5 - Papel de Parede Mod. 13 da Elo 7
6 - Papel de Parede Floral 1151 da Na Parede

Caso você queria você próprio aplicar o papel de parede ou queria conhecer como se aplica o papel de parede, a Fran Adesivos preparou um vídeo supersimples e rápido que irá lhe ensinar como você deve aplicar o papel de parede autoadesivo sem grandes dificuldades.

Agora, para finalizar, gostaria de saber qual dos papeis de parede selecionados você mais gostou e em qual ambiente de sua casa você irá utilizá-lo?

Até a próxima.

21 de março de 2017

Estudo da Forma: Geometria Básica Utilizada na Arquitetura


Conhecer os tipos geométricos e suas variações pode te ajudar em seu processo conceptivo, mesmo que você não esteja muito inspirado no momento. 

Quando eu inicio um determinado projeto sempre parto da premissa mais básica, que no caso, corresponde às formas geométricas primárias, depois vou decompondo as formas até chegar a um resultado aceitável.

Por isso, neste novo vídeo, mostro de forma rápida as formas geométricas utilizadas na arquitetura.

Confira agora o novo vídeo:


Como você inicia seus projetos?

Não deixe de responder também a pergunta do vídeo: o que você faria agora com essas formas? 

As melhores respostas serão mostradas no novo próximo vídeo.

Até a próxima.

13 de março de 2017

Rack para sua Sala de Estar


Anteriormente mostrei aqui no blog alguns itens decorativos relacionado a sala de estar (poltronas e mesas de centro), que você pode utilizar na composição de seu projeto, caso esteja projetando. No entanto como eu sei o quanto é importante ter o conhecimento prévio dos produtos que estão sendo vendidos atualmente e seus respectivos preços e sei também que este conhecimento poderá influenciar suas decisões projetuais, resolvi selecionar, desta vez, 6 racks que você poderá utilizar em seus projetos. Sem mais demora confira a lista. 

1 – Rack Onix – Branco e Aquamarine do Shoptime
2 – Rack Aruba Amarelo das Lojas Americanas
3 – Rack Retrô Branco da Submarino
4 – Rack Artely Treviso do Extra
5 – Rack Olivar Móveis Verona da Ponto Frio
6 - Rack Safira Estilo Retrô das Lojas Americanas

A lista, mesmo sucinta, revela itens decorativos preciosos para seu projeto. Caso queria saber mais detalhes sobre cada modelo basta clicar em seus respectivos links.

Antes de concluir, gostaria de saber duas coisas. A primeira seria: qual dos racks selecionados você mais gostou? E a segunda coisa seria: o que você mudaria neste rack para que seu design fique ainda melhor? 

Até a próxima.

9 de março de 2017

Dores de Cabeça ao Acompanhar a Obra


Quer você ter dores de cabeça comece acompanhar obra. Na verdade se você tiver somente dores de cabeça será pouco comparado com o que eu tive. Vou te dizer o que aconteceu.

Faz um tempo que estou procurando uma obra para que eu pudesse acompanhar sua construção para por em prática o que aprendi ao longo do curso de arquitetura e também poder aprender algumas coisas novas.

Para minha sorte ou azar, não sei dizer, mas acabei achando uma obra pequena, mas muito interessante para poder acompanhar seu desenvolvimento.

A obra foi construída em algumas etapas: uma dessas etapas o próprio dono resolveu construir parte do projeto. Claro que não ficou ruim, mas também não ficou ideal, mas mesmo assim, melhor que isso duvido que haja alguém que o faça.

Depois dessa etapa ele acabou contratando um pedreiro e um servente para rebocar as paredes e o teto que ele havia construído. Até então estava tudo tranquilo. Foi só o pedreiro começar a trabalhar que as dores de cabeça começaram.

Segundo o dono, o pedreiro é muito experiente, por isso, ele o contratou, no entanto o servente... Nem eu nem o dono da casa gostamos de seus serviços, um dos motivos para isso ocorrer é que o servente nem ao menos sabia preparar uma argamassa, mas como o pedreiro era amigo do dono da casa ele decidiu mantê-lo, mas por mim, tinha arranjado outro.

A primeira semana de trabalho foi tudo “tranquilo”, mesmo com a ineficiência do servente. Já a segunda, a enrolação começou. Vi o pedreiro em alguns momentos enrolando o serviço. Sei que isso é normal acontecer, mas não com tanta frequência como estava ocorrendo, mas mesmo assim uma semana depois do início do serviço o pedreiro concluiu sua tarefa. Tudo que tinha ocorrido durante esse período manteve o dono da casa ciente dos problemas ocorridos.

Na terceira etapa o pedreiro tinha somente o objetivo pôr a cerâmica em alguns cômodos da casa, mas antes o dono da casa junto comigo decidimos a quantidade de cerâmica que ia ser comprada e o tipo para que não houvesse erro e nem desperdício. No entanto na execução do pedreiro todos os cálculos foram de ralo abaixo.

Muitas cerâmicas foram quebradas pelo pedreiro, imagino que tenha sido acidental. Outras foram cortadas e as sobras não foram aproveitadas, mas isso é pequeno para o que me deparei ao longo da sua execução. Muitas cerâmicas foram colocadas de qualquer jeito. Outras estavam ocas e ao pisar nelas algumas vieram a quebrar. Parecia que ele nunca havia trabalhado com cerâmica em sua vida.

Quando o primeiro cômodo da casa ficou pronto, chamei o dono da casa e mostrei todas as falhas de execução e avisei a ele que ele estava jogando dinheiro fora, com aquele “profissional”. Depois de uma longa conversa, o dono da casa percebeu que eu estava certo e decidiu mandar o pedreiro e “servente” embora.

A obra ainda não acabou, mas espero que não tenhamos mais dores de cabeça.

Continue acompanhando o blog nas redes sociais para ver em tempo real todos os artigos e vídeos publicados aqui.

Até a próxima.

8 de março de 2017

4 Editores Fotográficos Online que Você deve Conhecer


Você já precisou de um editor fotográfico imediatamente, mas no momento você não estava com seu computador por perto? Neste artigo te mostrarei 4 editores online que te fornecerá diversos recursos que irá eliminar sua necessidade de ter seu computador com o Photoshop ou o Corel Draw, por exemplo, para poder criar ou editar alguma imagem para um determinado trabalho. Todos “editores” mostrados são gratuitos. Leia todo o artigo porque o último “editor” irá te surpreender. 

Befunky



Neste editor online você consegue fazer uma edição fotográfica que você faria em um editor como o photoshop ou GIMP, mas com mais tranquilidade. Muitos dos recursos que estão disponíveis neste editor já estão pré-configurado, basta por em ação cada ferramenta, mas caso necessite personalizar, o editor permite que você altere a configuração facilmente. 

A desvantagem deste editor é que parte das ferramentas só é liberada mediante o pagamento mensal, mas mesmo sem o pagamento você consegue ver como cada ferramenta fornecida pelo editor funciona, dessa forma você pode decidir se vale ou não a pena pagar para usufruir de seus recursos.

Montagem com Fotos



Já este editor permite que você faça diversas montagens fotográficas que normalmente você faria utilizando o PhotoScape ou qualquer outro tipo de software instalado em seu computador. A grande vantagem é que ele fornece os mesmos recursos encontrados em softwares relacionados, no entanto, não fornece toda a precisão dimensional que os demais softwares. Quanto à qualidade da imagem gerada ela é excelente, e você pode escolher salvar a imagem tanto em PNG como em JPG.

Photoshop Online



Caso você precise algum dia do Photoshop e não esteja com o seu computador por perto, este editor online te fornecerá o que você precisa. A plataforma é muito semelhante, se não igual ao Photoshop. Portanto, não preciso falar mais nada sobre esse editor, para quem conhece o Photoshop irá gostar dele, simples assim, você concorda comigo?

Canva



Este editor irá te fornecer todos os recursos mostrados anteriormente e muito mais. Ele será muito útil em seu dia a dia, pode acreditar. Neste editor você poderá desenvolver banner, folder, cartaz, currículo, cartão de visita, logotipo, capa para o Facebook, arte do canal do Youtube, apresentações entre outros. Todas essas possibilidades podem ser produzidas facilmente sem grandes transtornos e grande conhecimento técnico. O editor fornece vários exemplos que te norteará no processo conceptivo de seu material. A única desvantagem é que parte dos recursos disponíveis são restrito ao usuário. Para usufruir totalmente você terá que pagar, além disso, esse editor diferente dos demais mostrados, somente pode ser utilizado depois que o usuário realiza um cadastro no site.

Qual dos editores online você mais gostou? Deixe nos comentários sua opinião. Caso conheça algum editor online que forneça algum recurso interessante deixe nos comentários eu quero conhecer.

Até a próxima.

6 de março de 2017

Tipos de Vidro: Vidro Laminado



Você conhece todos os tipos de vidro que possivelmente você poderá utilizar em seus projetos? Imagino que sua a resposta será não, caso contrário, me diga quantos tipos de vidro existem? 

Se sua resposta foi acima de 20 tipos, quer dizer que você está no caminho certo, mas para falar a verdade, a quantidade ultrapassa 30 tipos facilmente. Neste caso, se eu fosse escrever um artigo sobre cada um deles possivelmente levaria mais de uma semana. Por isso, resolvi tratar sobre cada tipo individualmente, dessa forma, posso fornecer mais detalhes sobre cada um deles para você. 


O vidro laminado é classificado como vidro de segurança por ser composto por duas lâminas de vidro e uma película de plástico que fica localizada entre as duas lâminas. Essa película possui grande resistência e é comumente chamada de PVB (Polivinil Butiral).


Esse tipo de vidro pode ser utilizado em vitrines, piso, divisórias, guarda-corpo, portas, coberturas, janelas, sacadas entre outros lugares, devido ao fato que este tipo de vidro ao ser quebrado seus fragmentos ficam presos ao PVB, impedindo que os usuários venham a se machucar.

Mas os benefícios desse tipo de vidro não é somente este, ele também reduz a entrada de ruídos externos, devido a sua dupla camada de vidro e protege o ambiente dos raios UV (ultravioleta). Essa proteção dos raios UV beneficia tantos os usuários como os moveis e objetos que estejam no ambiente contra o envelhecimento e o desbotamento.

Você já conhecia este tipo de vidro e suas características? Deixe nos comentários sua opinião.

Até a próxima.

3 de março de 2017

Perspectivas: Tipos Utilizados no Curso de Arquitetura


Você conhece os tipos de perspectivas utilizadas no curso de arquitetura? Caso não conheça mostrarei neste artigo os tipos mais utilizados. Mais a frente mostrarei alguns exemplos possíveis que você poderá desenvolver a partir de cada um deles.

Basicamente no curso de arquitetura utilizamos três tipos de perspectivas: axonométrica, obliqua e cônica. Cada perspectiva possui diversas variações em seu processo construtivo, no entanto no curso de arquitetura algumas variações não são muito utilizadas no dia a dia, mas mesmo assim aprendemos utilizá-las no curso.

Perspectiva Axonométrica



Esse tipo de perspectiva também é conhecida como perspectiva paralela e é muito utilizada tanto na arquitetura como na engenharia devido a sua simplicidade construtiva. Além disso, como esse tipo de perspectiva busca mostrar com exatidão as dimensões correspondentes ao objeto desenhado, permite ao observador maior facilidade para identificar seus valores dimensionais.

A perspectiva axonométrica possui 3 variações: isométrica, dimétrica e trimétrica. No entanto das três possibilidades a mais utilizada tanto na arquitetura quanto na engenharia é a isométrica, no entanto, tenho que ressaltar que no dia a dia como arquiteto esse tipo de perspectiva é pouco usual. Mas como tudo há exceções você poderá se deparar em seu dia a dia com um projeto que necessitará de sua representação, portanto não a descarte de seu repertório.

Para poder criar uma perspectiva isométrica basta você ter um esquadro com ângulo de 30° para poder desenhar as linhas oblíquas, o resto é moleza porque todas as linhas são paralelas e as medidas são exatamente como está no projeto.

Não se preocupe farei um artigo mostrando passo a passo como você deve construir uma perspectiva isométrica.

Perspectiva Oblíqua



Já com relação a está perspectiva, também conhecida como perspectiva cavaleira, sua principal característica é que a face frontal do objeto desenhado será representada sempre de forma paralela ao observador e com exatidão de suas dimensões.

Já as demais faces do objeto é possível representa-la a partir de 3 ângulos: 30°, 45° e 60° e estes ângulos são responsáveis por reduzir a dimensão original da face a ser desenhada. Os valores respectivos a cada ângulo são: 1/3, 1/2, 2/3. Para usá-los basta multiplicar a dimensão a ser desenhada por sua respectiva fração correspondente ao ângulo que você deseja representar.

Para exemplificar, vamos imaginar que vamos desenhar um cubo com 90cm de lado, no caso a face principal terá 90cm x 90cm, no entanto as demais faces ao representa-las no ângulo de 45° seu valor resultante do cálculo seria 45cm então a face terá as dimensões de 90 cm x 45cm.

Perspectiva Cônica



Da mesma maneira que as demais perspectivas, essa também possui 3 variações: 1 ponto de fuga, 2 pontos de fuga e 3 pontos de fuga, no entanto este tipo de perspectiva é a única que representa com exatidão como o olho humano ver o mundo, por isso ela é a mais utilizada na arquitetura.

Cada uma das perspectivas cônicas, também conhecidas como perspectiva exata, possui regras próprias para sua construção e difere das demais já mostradas.

A principal característica desse tipo de perspectiva é que as linhas que antes eram paralelas agora são desenhadas de forma oblíqua tendo origem em um PF (ponto de fuga), no entanto as linhas referentes à altura e a largura permanecem sem alteração.

Para que você possa saber como desenvolvê-las terei que criar um artigo especialmente para cada uma delas. No entanto, tenho que advertir que a perspectiva de 3 pontos de fuga é pouco usada na arquitetura, mas há casos especiais que ela é utilizada. Por exemplo, ao desenhar uma perspectiva de uma cidade este tipo de perspectiva se encaixa perfeitamente e além do mais ela acaba valoriza a paisagem representada por ela. Caso você não saiba esse tipo de perspectiva também é utilizada na criação das histórias em quadrinhos (HQs).

Ao longo desse artigo busquei mostrar de forma rápida os tipos de perspectivas mais utilizadas no curso de arquitetura. Caso você queira aprender como desenvolver cada uma das perspectivas recomendo que continue acompanhando o Arquiteto Versátil pelas redes sociais.

Se tiver alguma dúvida, sugestão ou queira complementar o que foi descrito neste artigo basta deixar nos comentário.

Até a próxima.

1 de março de 2017

Mesa de Centro para sua Sala de Estar


Em um artigo publicado anteriormente mostrei algumas poltronas para que você possa conhecer os modelos que estão à venda e também para poder ampliar seu repertório quanto aos móveis que você poderá incorporar em seus projetos de decoração.


Quando iniciamos o processo conceptivo de um determinado projeto devemos ter ou deveríamos ter um amplo conhecimento do que o mercado oferece para que possamos oferecer o melhor para nossos clientes dentro das reais condições dele, mas nem sempre isso ocorrer.

Para lhe ajudar na construção de seu repertório selecionei 12 belíssimas mesas de centro que você poderá agregar aos seus projetos. Confira agora a lista:

1 – Mesa de Centro Duo da Hometeka
2 – Mesa de Centro Shelton da Hometeka
3 – Mesa de Centro Latina Branco da Submarino
4 – Mesa de Centro Petra Avelã da Mobly
5 – Mesa de Centro Colmeia da Mobly
6 – Mesa de Centro Liverpool Cacau da Lojas KD
7 – Mesa de Centro Alana Branco Fosco da Mobly
8 – Mesa de Centro Broto Madeira da Submarino
9 – Mesa de Centro Art Turquesa da Mobly
10 – Mesa de Centro Follow da Hometeka
11 – Mesa de Centro Oca da Hometeka
12 – Mesa de Centro Oxi Preto da Submarino

Qual das mesas de centro selecionadas você mais gostou?

Antes de concluir este artigo gostaria de saber se você gosta desse tipo de conteúdo? Caso goste qual outro móvel você gostaria de ver no próximo artigo?

Até a próxima.

21 de fevereiro de 2017

Cozinha Ideal: Como Dimensioná-la e Organizá-la?


Ao projetar uma cozinha você deve ter em mente as dimensões mínimas que serão necessárias para que você possa desenvolver o espaço que atenda ao máximo as necessidades do usuário, mesmo elas sendo mínimas.


A cozinha deve conter outros elementos além da pia, fogão e geladeira, que serão utilizados para armazenar alguns itens da cozinha como pratos, copos e talheres como também batedeira, liquidificador, triturador etc. Além desses espaços a cozinha deve ter também um local para armazenar os alimentos e realizar a limpeza dos mesmos. Todos esses espaços devem está previstos no projeto.



Com relação as dimensões do balcão, armário e prateleiras você deve levar em consideração as medidas mínimas como também as medidas relacionado a cada finalidade que o usuário pretende ter no espaço projetado.





Como em alguns projetos a sala de jatar está integrada a cozinha, não poderia deixar de mostrar as dimensões mínimas das mesas e seus diversos formatos.

Dentre os vários formatos de mesas as mais utilizadas são: as mesas redondas e as retangulares, no entanto você poderá utilizar também a mesa no formato quadrado ou oval.

Com relação as dimensões da mesa você deve escolher a partir da quantidade de usuários que iram usufruir do espaço. Como você observou algumas mesas exibe a palavra “apertado”, isso quer dizer que a quantidade de cadeiras relacionada ao espaço oferecido pela mesa não é suficiente para os usuários. 

Busque escolher uma mesa que atendas suas necessidades diárias, como também alguns casos isolados (visita de amigos e familiares). 


Ao desenvolver um projeto de uma cozinha não basta você saber somente quais medidas mínimas deve conter no projeto, você tem que saber também como organizá-lo. Sem isso, o projeto desenvolvido por você poderá ser prejudicado, por impedir que o usuário exerça suas atividades com o mínimo de esforço possível, máximo conforto e segurança, proporcionando assim o máximo de resultado almejado.

Neste artigo busquei mostrar algumas dimensões (medidas), relacionada a concepção de uma cozinha, seja ela tradicional ou americana. Além disso, busquei mostrar também como organizá-la, sem isso como eu disso anteriormente, o projeto poderia ter sua função básica prejudicada.

Caso tenha gostado deste artigo, compartilhe nas redes sociais para que mais pessoas o vejam. E se ainda ficou alguma dúvida bastar deixar nos comentários.

Até a próxima.