Estudo da Forma – Sofá Azul de 3 Lugares


Eu já criei vários estudos da forma e publiquei aqui no blog para que você possa ver todo o processo criativo que eu usei para poder criá-los. Sempre que olho os vídeos, que estão publicados no canal, eu fico maravilhado ao ver como o meu processo criativo mudou com o tempo. Uma das coisas que mudou e é evidente é o uso de grupos e componente na composição criativa das volumetrias. Isso fez total diferença em meu processo criativo. 


No artigo de hoje eu te mostrarei como foi o processo criativo que eu usei para poder criar um sofá azul de 3 lugares. Para este estudo da forma eu busquei criar uma volumetria bem simples. Meu objetivo aqui é criar uma volumetria básica que eu possa usar como base para a criação de novos modelos de sofás no futuro. 

Como eu Criei um Sofá Azul, de 3 lugares, usando o Sketch Up? 


Antes de mais nada, eu preciso te dizer que este estudo da forma é o primeiro em que eu uso um esboço pré-concebido para poder nortear o meu processo criativo. Eu decidi usar o esboço porque a volumetria que eu irei criar é uma derivação de um sofá que foi publicado em um artigo aqui do blog. Claro que a volumetria gerada neste processo criativo é mais simples, mas de qualquer forma esta volumetria possui as mesmas medidas do sofá que está neste artigo aqui. Você verá, ao longo do vídeo, que o esboço que eu criei foi usado durante todo ou quase todo o processo criativo do sofá. 

Para poder começar a criação do sofá azul eu precisei delimitar o espaço que ele poderia ocupar no Sketch Up. Para poder fazer isso, eu usei a ferramenta retângulo para dimensionar o espaço do sofá. Após delimitar o espaço, eu resolvi criar um grupo. Desta forma eu poderia criar diversas outras formas sobre este espaço e as formas não se juntarão. 

Depois da criação do grupo, eu resolvi delimitar o espaço dos descansos de braço. Para a sua criação, eu usei a mesma ferramenta que eu usei anteriormente. Após a criação da forma que poderia vir a ser o descanso de braço do sofá eu resolvi criar uma componente. Logo após, eu resolvi fazer uma cópia da figura que eu tinha acabado de criar. Desta forma, caso surja a necessidade de editá-la, eu não precisarei fazer a mesma coisa duas vezes. 

Depois, eu decidi mover as figuras até uma determinada altura. Deste ponto para cima será gerado o sofá. Deste ponto para baixo será gerado os pés do sofá. Depois que eu movi as figuras, eu decidi gerar a sua volumetria. Como eu já havia dito anteriormente, ao decidi gerar a volumetria, eu só precisei gerar uma volumetria, que a função componente, se encarregou de gerar a outra volumetria automaticamente. 

Após a criação da volumetria correspondente aos descansos de braço, eu decidi criar uma base que ligaria as duas volumetrias criadas anteriormente. Com relação a esta base, eu decidi criar um grupo. Porque, neste caso, não seria necessário o uso de uma componente. Logo após a criação do grupo, eu decidir editar a figura, para poder gerar a sua volumetria. 

A partir deste momento, eu precisei olhar uma das imagens que compõe o sofá original que usei como base para criar o meu esboço. Eu decidi olhar esta imagem, porque o esboço que eu criei não tinha a visão posterior do sofá. 

Após a verificação das imagens do sofá, eu decidi continuar o meu processo criativo. 

Neste momento, eu resolvi criar um retângulo fechando a parte posterior do sofá. E como nas figuras anteriores, eu resolvi criar novamente um grupo da figura que eu tinha acabado de desenvolver. Como a partir deste momento, eu iria desenvolver a volumetria do encosto do sofá, eu precisei editar a volumetria da base do sofá. Fiz isso porque possivelmente a volumetria da base do sofá poderia atrapalhar o meu processo criativo em algum momento. 

Após a edição da volumetria, eu decidir retomar a criação do encosto do sofá. Para isso, eu ativei a ferramenta linha e desenhei 3 linhas fechando um retângulo acima do espaço ocupado pelos descansos de braço. 

Eu preciso deixar claro, para você, que este procedimento que eu usei poderia ter sido realizado de uma outra maneira. Mas, no momento em que foi realizado o estudo da forma, foi o único jeito que eu encontrei, para poder acrescentar alguns centímetros ao encosto do sofá. 

Como a volumetria do encosto do sofá possui uma pequena inclinação eu decidi criar a inclinação do jeito mais difícil. Dá para acreditar nisso? Mas o que importa é que deu certo no final. 

Para poder criar a inclinação, eu resolvi criar um trapézio. No caso, a parte superior do encosto do sofá possui o lado menor do trapézio, e o lado maior, ficou encostado no descanso de braço. 

Durante o processo de criação do trapézio eu aproveitei para eliminar a linha que havia na figura retangular que compõem a parte posterior do sofá. 

Depois que eu consegui criar o trapézio que compõem o encosto do sofá, eu decidi criar uma cópia da volumetria da base do sofá. A cópia volumétrica que foi criada corresponde a parte do sofá onde usuário poderá usar para sentar. Tendo esta volumetria criada, eu tinha também determinado a altura do acento do sofá. A partir disso, eu pude continuar a criação do encosto do sofá. 

Então, a partir deste momento, eu resolvi voltar a figura do trapézio, mas, antes, eu precisei criar duas linhas para poder continuar a criação do encosto do sofá. 

A primeira linha vinha da volumetria referente ao acento do sofá. E a segunda linha seria uma linha complementar a inclinação criada pela forma do trapézio que compõem o encosto do sofá. 

Depois que eu criei as duas linhas eu gerei um ponto em comum entre elas. Essa intersecção é fundamental para que eu possa continuar o meu processo criativo da volumetria do sofá. 

Após ter as linhas interseccionadas, eu eliminei os excessos, e decidi criar uma linha vertical, que surge na intersecção e vai até a base do sofá. Depois, fechei a figura, criando uma linha até a figura posterior do sofá. Desta forma, eu criei a vista lateral da volumetria do encosto do sofá. 

Para poder continuar a criação da volumetria do encosto do sofá, eu decidi eliminar algumas linhas que poderiam me atrapalhar durante a criação da volumetria em si. 

Depois que eu eliminei as linhas em excesso, ficou fácil gerar a volumetria do encosto do sofá. Pode não parecer, mas mesmo eu tendo muito cuidado durante o meu processo criativo, eu ainda tive um pequeno problema ao gerar a volumetria do encosto. Ainda bem que foi fácil de resolver. 

No caso, foi necessário gerar novamente a volumetria do encosto do sofá. Para isso, eu precisei pressionar a tecla CTRL para que a ferramenta puxe/empurre, pudesse gerar a volumetria do encosto do sofá de forma correta. 

Após criar a volumetria do encosto, eu decidi editar, novamente, as duas volumetrias que correspondem tanto a base do sofá quanto o acento do sofá. Porém, como as duas volumetrias estão dentro de um grupo, eu decidi eliminar uma delas. Após o descarte, eu decidi editar a volumetria que sobrou. Posteriormente, eu criei uma cópia da volumetria editada. Desta forma, eu pude substituir a volumetria que eu havia eliminado anteriormente. Ao concluir estas etapas, eu posso te adiantar que o sofá está quase pronto. 

A partir de agora eu irei te mostrar o processo criativo que usei para poder desenvolver os pés do sofá. 

A primeira coisa que eu fiz para poder começar a criar os pés do sofá foi criar um retângulo vertical na face frontal do sofá. Depois, eu criei 3 cópias do retângulo que foi criado anteriormente. Logo após, eu distribuir os retângulos, um do lado do outro. 

Esses retângulos me ajudaram a dimensionar corretamente o pé do sofá. Então, para poder criar o pé do sofá, eu resolvi traçar duas linhas diagonais criando assim a vista frontal do pé do sofá. 

Observe que as linhas diagonais que eu desenhei possui inclinações diferentes. Isso foi fundamental para que o pé do sofá tivesse suas extremidades com dimensões diferentes. 

Depois que eu conseguir criar a vista frontal do pé do sofá, eu resolvi aplicar sobre a forma gerada, a função componente. Essa decisão tomada, neste momento, fez total diferença posteriormente. 

Após a aplicação da função componente, eu resolvi continuar criando o pé do sofá. Porém, no lugar de criar vários retângulos, eu resolvi criar um retângulo somente. Dentro do retângulo, eu resolvi criar duas linhas diagonais, mas agora com inclinações opostas, mas espelhadas ao eixo central. 

Com as duas faces do pé do sofá pronta, eu decidi usar a ferramenta, puxe/empurre, para poder gerar a volumetria do pé do sofá. Após a aplicação da função, puxe/empurre, sobre as faces criadas, eu precisei aplicar também a função interseccionar faces. Após a aplicação da função, interseccionar faces, eu pude excluir as partes excedentes da volumetria. Ao fim do processo de exclusão, eu finalmente tinha gerado o pé do sofá. 

Agora que eu estava com um dos pés do sofá pronto, eu resolvi deslocar a volumetria para o local que ela realmente ficaria debaixo do sofá. 

Logo após o deslocamento, eu resolvi criar 3 cópias da volumetria para poder finalizar esta etapa do meu processo criativo. Mas as cópias dos pés do sofá não foram tão simples quanto parece. 

A primeira cópia até que foi fácil. Eu só precisei deslocá-la lateralmente. 

Já as outras duas cópias, eu precisei ir além do simples deslocamento. No caso, além do deslocamento, eu precisei inverter o direcionamento das volumetrias, que eu havia acabado de criar. Para isso, eu precisei usar a ferramenta, escala, para poder redirecionar a volumetria. 

Após ter feito o redirecionamento, eu decidi verificar se os pés do sofá estavam no lugar certo. 

Depois da verificação em busca de falhas, eu decidi eliminar o retângulo que usei como base para poder criar o sofá. Eu também decidi fazer uma pequena alteração na largura do acento do sofá. Fiz algo semelhante a isso no estudo da forma de uma cadeira de madeira. Caso você ainda não tenha visto este estudo da forma, eu recomendo que aproveite este momento para conferir o seu conteúdo. 

Para finalizar o processo criativo do sofá, eu decidi selecionar e aplicar os respectivos materiais sobre a volumetria. 

O texto acima é bastante extenso devido a quantidade de detalhes que eu decidi expor ao longo do texto. Mas isso não quer dizer que o processo criativo que eu usei para poder criar o sofá foi difícil. Porém, eu posso dizer que ele foi ligeiramente trabalhoso mesmo para uma volumetria tão simples quanto este sofá. 

Veja Também:


Para complementar o seu aprendizado, eu recomendo que você veja o vídeo abaixo. 


Você gostou do conteúdo deste artigo? Então curta, compartilhe e inscreva-se no canal. 

Caso você queira baixar a volumetria do sofá azul de 3 lugares para usar em seus projetos, basta visitar o meu perfil no site da 3D Warehouse

Você aprendeu algo novo ao longo deste estudo da forma? Deixe sua opinião nos comentários.

Até a próxima.


Comentários